TV Mundo Maior Como ter amor próprio? - Crescer Você - TV Mundo Maior

Como ter amor próprio? – Crescer Você

Como ter amor próprio? – Crescer Você


Programas:
Crescer Você
Data: 13/06/2018
Temas: Programas

Como ter amor próprio? O programa Crescer Você tratou sobre qual momento você está vivendo? Será que estamos comparando nossa vida com a do outro? Aquilo que estamos vivendo nesse momento é aquilo que precisamos viver?

Leia também:

Mensagens espíritas: André Luiz fala sobre melindres

No livro “Sinal Verde”, André Luiz nos ensina mensagens espíritas edificantes como a que não devemos nos melindrar, e sim aprender com as adversidades. Segundo o espiritismo, essa é uma atitude de suma importância para viver bem

“Não permita que suscetibilidades lhe conturbem o coração”, diz André Luiz, por meio da psicografia de Chico Xavier.

André Luiz começa sua reflexão no livro “Sinal Verde” com uma frase impactante. Primeiramente, verificamos que, muitas vezes, podemos levar toda e qualquer situação para o lado pessoal. Mas a obra, cunhada na doutrina espírita, nos ensina que devemos dar aos outros a liberdade de pensar o que eles quiserem.

Lembre-se você também é livre para pensar como deseja, porque o outro não pode ter esse direito também? Não é por acaso que as pessoas cruzam o seu caminho. Em síntese, elas vão sempre te ensinar algo. As múltiplas reencarnações são a chave para nos aprimorarmos.

Mais adiante no texto, quando André Luiz observa que “cada pessoa vê os problemas da vida em ângulo diferente”, devemos analisar, assim, que esta encarnação nos ensina que devemos lidar com as divergências de forma leve.

“Muitas vezes, uma opinião diversa da sua pode ser de grande auxílio em sua experiência ou negócio, se você se dispuser a estudá-la”.

Observemos o que podemos extrair de bom numa opinião que poderá não convergir com a nossa. Buscar o entendimento sobre o que você não compreendeu é interessante para saber onde temos que melhorar intimamente.

Ou seja, a reforma íntima praticada diariamente pode melhorar esse entendimento, se você estiver com dificuldades em perceber.

 

Para isso, tenhamos calma, compreensão e ponderação para lidar com quem não corresponde às nossas expectativas.

Os sinais que a vida mostra quando você se prende a melindres

Como saber se você está com melindres com as pessoas? E ainda: quais as consequência dessa emoção negativa?

André Luiz nos explica, nos trechos a seguir:

“Melindres arrasam as melhores plantações de amizade. Quem reclama, agrava as dificuldades. Não cultive ressentimentos. Melindrar-se é um modo de perder as melhores situações. Não se aborreça, coopere. Quem vive de se ferir, acaba na condição de espinheiro”.

Assim, vamos perdoar ao próximo, assim como queríamos que fôssemos perdoados. André Luiz nos convida a repensar sobre os nossos comportamentos diários no livro “Sinal Verde” para que tenhamos uma encarnação mais plena e saudável.

 

Convite a prece e leituras edificantes

Faça preces com o seu mentor todos os dias. Eles irão te mandar bons fluídos para você lidar com seus melindres e melhorar a si mesmo.

E para melhorar ainda mais seus sentimentos, faça leituras edificantes, para saber lidar melhor com as pessoas. Um dos primeiros passos para se aprimorar nos relacionamentos é assumir a responsabilidade por seus melindres.

Porque o livro “Comunicação não-violenta”, de Marchal B. Rosenberg, dá algumas dicas interessantes para iniciar esse processo. Mas ao notarmos que alguém não está correspondendo as nossas expectativas, aceitemos os nossos sentimentos em relação ao outro e expressemos isso, sempre compreendendo o ponto de vista do interlocutor.

Um exemplo:

Em síntese, se você estiver irritado quando alguém levantar a voz, mas não coloque a responsabilidade na outra pessoa pelo seu medo. Apenas diga o quanto esse comportamento te faz sentir ameaçado. Também justifique o porquê você afirma isso. A compaixão é gerada a partir da expressão clara e leve do que você está pensando.

Paz e luz a todos!

 

Fontes: “Sinal Verde”, de André Luiz, psicografado por Chico Xavier e “Comunicação não-violenta”, de Marchal B. Rosenberg.

 

Comments

comments


WhatsApp
Clique aqui