Relacionamento com os pais na adolescência

Juventude Maior

É durante a juventude que temos as primeiras interações mais efetivas com outras pessoas e esse contato gera amizades, namoros e descoberta da sexualidade. Mas como as casas espíritas abordam essas questões? A mocidade deve estabelecer um diálogo com os pais? Descubra agora no Juventude Maior!

Leitura complementar

Relacionamento difícil entre pais e filhos

A questão do relacionamento difícil entre pais e filhos ultrapassa gerações, seja por falta de desinformação ou ainda por indisponibilidade de ambas as partes. Muitas vezes a convivência entre o adulto e a criança/adolescente coloca à tona vários questionamentos no momento de educar, etc.

Um dos conflitos mais comuns é a comunicação dentro de casa, muitos pais tentam falar de tudo com os filhos, porém parece não adiantar, já que na maior parte das vezes eles não se sentem ouvidos, por exemplo, quando o filho não está contente com algo e tenta falar com seus pais não conseguem, seja por falta de tempo, ou até mesmo por desinteresse do adulto.

Outro problema frequente é a questão dos limites .Muitos filhos acreditam que os pais colocam limites demais, por isso, acabam ficando inquietos, desatentos, e muitas vezes, agressivos.

De acordo com a psicóloga Natália Cunha, do centro de Psicologia Aplicada, em entrevista a Universidade Juiz de Fora, a marca da adolescência é a rebeldia.

Eles reclamam sempre da impossibilidade de um diálogo satisfatório, pois os pais fazem sempre a própria interpretação sobre o assunto.

E ainda é possível citar outros erros, entre eles:
  • Muitos pais não entendem que os filhos crescem;
  • Descobertas: pais dizem que sabem o que os filhos estão passando, porque já viveram alguma situação parecida;
  • Perda de controle: adolescentes não gostam de dar satisfação;
  • Cobranças: por querer que os filhos tenham um futuro, os pais cobram muito, por exemplo, que estudem, criem responsabilidade, etc;
  • Constrangimentos: muitos adolescentes sentem vergonha dos pais;
  • Falta de confiança: muitos filhos acham que seus pais estão investigando tudo o que eles fazem, por isso, não criam uma confiança neles;

E quando uma dessas situações acontece cria-se um desconhecimento por parte dos pais, em relação aos pensamentos, ideias e vontades dos filhos. E com isso, sem saberem como agir, o distanciamento chega a um nível crítico que os pais só detectam as diferenças nos seus comportamentos diante de uma situação crítica ou de difícil retorno.

Por isso, para manter uma boa relação com os filhos é preciso muita paciência, além de equilíbrio e amizade.

Dê confiança a criança, demostre os sentimentos perante o acontecimento. Mostre seu ponto de vista e ainda proponha mudanças na relação.

Texto publicado na RBN dia 29 de maio de 2016. 

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

deixe um comentário

WhatsApp chat