Pode falar Espírita Kardecista?

Pode falar: Espírita Kardecista?

Para compreender melhor porque algumas pessoas não sabem como se intitula quando segue a doutrina espírita vamos relembrar alguns fatos do surgimento do espiritismo.

Como sabemos, Allan Kardec foi o codificador a Doutrina Espírita. Ele era professor e devotado escritor. Também publicou obras importantes no campo da educação como o Plano proposto para a melhoria da instrução pública, em 1828.

Ele publicou o Curso prático e teórico de aritmética (Segundo o método de Pestalozzi). Este para uso dos professores primários e mães de família, publicado no ano seguinte. Por fim, revelou a Gramática Francesa Clássica, em 1831.

Com isso, podemos notar que Kardec era autodidata, muito curioso nos assuntos sobre a vida e gostava de provar seus pontos de vista cientificamente. 

Para isso, ele foi atrás de respostas sobre as mesas e cadeiras que se movimentam “sozinhas”, em meados de 1800. Dessa forma, ele começou todo seu trabalho de pesquisa e enviava cartas para os espíritos desencarnados de vários lugares do mundo.

Assim, ele montou os pentateucos e dando boas vindas a Doutrina dos Espíritos. Ao divulgar seus trabalhos ele dizia: “Essa doutrina não é minha e, sim, dos espíritos.”

Para formalizar os termos criados pelos desencarnados, ele criou vocabulários espíritas, explicado no Livro dos Espíritos:

“Empregamos para indicar a crença a que vimos de referir-nos, os termos espírita e espiritismo, cuja forma lembra a origem e o sentido radical e que, por isso mesmo,apresentam a vantagem de ser perfeitamente inteligíveis.

Diremos, pois, que a Doutrina Espírita ou Espiritismo tem por princípio as relações do mundo material com os Espíritos ou seres do mundo invisível. Os adeptos do Espiritismo serão os Espíritas ou se quiserem, os Espíritas.”

Kardec deixou claro que a doutrina é dos espíritos e aqueles que seguem esses ensinamentos são espíritas. Logo, não são kardecistas.

Mas porque ainda existem pessoas que insistem em dizer que são espíritas kardecistas? Seria algo para diferenciar dos umbandistas? E qual é o motivo de querer se diferenciar dos umbandistas? Será que não é um preconceito com essa religião?

Não há necessidade de exaltarmos Kardec e cair na idolatria, temos apenas que seguir os ensinamentos enviados pelos espíritos através dele e com isso ir se tornando um verdadeiro espírita.

Então, primeiro passo é, deixar o orgulho de lado, respeitar todas as religiões, não julgar e muito menos se preocupar com o julgamento da outra pessoas quando dizer: “sou espírita.”

Para saber mais sobre o assunto, assista:

Pode falar: Espírita Kardecista?

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

deixe um comentário

WhatsApp chat