O mundo já acabou

Mundo de regeneração e transição planetáriaVocê costuma se perguntar como será o fim do mundo? Como se dará o fim da vida e o iminente colapso da humanidade? Não? Então deveria! Como sabemos, estamos em um mundo de provas e expiações e de acordo com as obras da codificação espírita, viveremos em breve, um momento de transformação chamado transição planetária na qual iremos passar para um planeta de regeneração.

Mas como será essa mudança? Será que o planeta Terra está fadado à completa destruição de todos os seus recursos naturais após a nossa transição?

Transição planetária e fim do mundo

A ideia de que estamos vivendo em tempos difíceis para o planeta e para a humanidade não é uma novidade. Mesmo a Bíblia Sagrada relata em passagens inteiras o possível processo do fim.

É o que vemos, por exemplo, no Evangelho de Marcos, capítulo 13: 1-32, quando Jesus Cristo, ainda em Jerusalém, foi indagado pelos seus seguidores, quando saiam do templo, sobre as construções monumentais daquela região:

Saindo ele do templo, disse-lhe um dos seus discípulos: Mestre, olha que pedras, e que edifícios.

E, respondendo Jesus, disse-lhe:

Vês estes grandes edifícios? Não ficará pedra sobre pedra que não seja derrubada.

Após essa resposta tão contundente e inesperada de Jesus, seus discípulos não pensaram duas vezes e perguntaram se haveria algum sinal que eles pudessem reconhecer para prever esses acontecimentos, e Jesus lhes narra um célebre sermão profético:

Se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá terremotos em diversos lugares, e haverá fomes e tribulações. Estas coisas são os princípios das dores.

Para aqueles que conhecem a doutrina dos Espíritos já sabem que podemos interpretar esses trechos bíblicos não como o fim, mas como um novo começo. Essa passagem é explicada pelo espírito da verdade, através de Allan Kardec na lei de destruição. Isso quer dizer que, em determinadas situações, a destruição se faz necessária.

Os fins do mundo

Sejamos francos. Mesmo quando se fala em “destruição necessária” ou mesmo “transição de planetas”, não estamos falando do planeta Terra! Isso porque já houveram diversos eventos que dizimaram quase toda a vida orgânica do planeta. Por diversas situações, os seres dominantes da cadeia alimentar foram extintos em alguns milhares de anos, mas em nenhuma dessas vezes a existência do planeta Terra foi realmente ameaçada.

Se pararmos para enumerar todos esses acontecimentos, podemos dizer que o mundo cheio de diversidades de vidas e espécies de animais já acabou, não uma, nem duas, mas cinco vezes.

Extinções

A primeira grande extinção em massa ocorreu em uma época chamada ordoviciano há cerca de 443 milhões de anos e acabou com 86% de toda a vida da Terra, ou melhor, dos mares, já que nessa época a vida ainda não tinha migrado para a terra.

A segunda extinção em massa, no período devoniano, aconteceu há cerca de 359 milhões de anos e acabou com cerca de 75% da vida do planeta. Mas foi no período conhecido como permiano que a terra ficou mais devastada. Aproximadamente há 252 milhões de anos, a mãe de todas as extinções dizimou 96% de toda a vida do planeta.

No final do período triássico, há 200 milhões de anos, a vida até se recuperou, mas não durou muito tempo. Desta vez, 80% da vida do planeta Terra morreu.

O vazio deixado pelos animais desse período foi preenchido por outros animais que, sem dúvida, tornaram-se um símbolo da cultura pop desde a década dos anos 90. No período jurássico e cretáceo, os dinossauros não tiveram um final feliz e acabaram extintos junto com 76% das espécies que viviam naquela época há 65 milhões de anos.

Todos esses eventos tiveram basicamente as mesmas causas. Ou aconteceram por mudanças na temperatura e oxigênio da água ou na atmosfera da terra em decorrência da erupção de vulcões ou foram causados por um meteoro. No entanto, há aqueles que apontam uma nova grande extinção, uma chamada antropoceno. Desta vez a ação humana é a principal causa da degradação do planeta Terra.

Parece que a parte da lei moral de destruição que diz que às vezes a destruição se faz necessária está bem clara na cabeça dos seres humanos, afinal, estamos bem perto de tal consequência.

Será possível que a humanidade, por ela própria, torne-se responsável pelo final, não só da maioria da vida terrestre e marinha, mas do próprio planeta Terra, acabando com todos os seus recursos?

O pequeno ponto pálido azul

Se tem algo que podemos dizer é que, esse pequeno ponto pálido azul girando no espaço sideral sempre resistiu a todos os percalços durante 4.4 bilhões de anos. Com certeza, a nossa evolução espiritual e moral passa pela recuperação da nossa própria casa que, apesar de todos os eventos catastróficos, sempre resistiu.

A verdade é que, talvez não possamos evitar a destruição do planeta, mas se nos esforçarmos, podemos adiar esse final para que mais histórias possam ser contadas. Isso é o que pensava o cientista, físico, biólogo e escritor, Carl Sagan.

Em suas próprias palavras, Carl se referia ao planeta Terra como um ponto pálido azul:

Esse pálido ponto azul aí é a nossa casa. Somos nós.

É nele que vivem todas as pessoas que você ama, todo mundo que você conhece e cada ser humano que já existiu. Todas as nossas alegrias e sofrimentos, milhares de religiões, ideologias e doutrinas.

Cada herói e covarde, cada casal de apaixonados, cada pai e mãe, cada criança cheia de sonhos, cada professor, cada político corrupto, cada santo e pecador.

Todos viveram aqui, em um grão de pó suspenso num raio de sol.

Mesmo considerando toda a vastidão do universo, não há indícios de que vá chegar ajuda de outro lugar para nos salvar de nós mesmos.

Somos a primeira espécie que tem condições de evitar uma possível extinção. No entanto, cuidar do nosso planeta faz parte da nossa prova para alcançarmos um novo mundo, tornando o final da nossa estadia no planeta Terra, um novo começo num planeta de regeneração, assim como diz a lei de causa e efeito.

 

Escrito por: Igor Oliveira

Assistente de Jornalismo, apresentador do Mundo Maior Repórter e estudante de jornalismo.

 

 

Faça uma doação pelo site feal.colabore.org

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

leave a reply

WhatsApp chat