O Cyberbullying contribui para a depressão e suicídio entre jovens?

‘Já acabou Jéssica’, a jovem que protagonizou meme viral nas redes sociais abandonou os estudos e caiu na depressão. Lara ainda conta que começou a se mutilar dias após o vídeo onde ela briga com uma colega de escola viralizar.

Essas autolesões não suicidas, termo utilizado por especialistas para designar cortes que pessoas fazem em si, ocorrem quando o indivíduo vive uma situação de angústia.

No início do mês de agosto o Cyberbullying fez com que o jovem Lucas Santos, filho da cantora Walkyria Santos, tirasse sua própria vida, após receber comentários homofóbicos na rede social de vídeos TikTok.

No final de agosto o Governador da Paraíba sancionou a lei que cria o Programa Estadual de Combate ao Cyberbullying Lucas Santos. A lei consiste em realizar ações educativas nas escolas da rede pública e privada do estado e ainda acesso prioritário aos serviços públicos de assistência médica, social, psicológica e jurídica.

O que é Cyberbullying?

Cyberbullying é o bullying realizado por meio das mídias digitais. Ele pode acontecer nas redes sociais, aplicativos de mensagens, site de jogos e celulares. Trata-se de um comportamento repetido com o intuito de assustar, enfurecer ou envergonhar  aqueles que são vítimas.

Alguns exemplos do Cyberbullying acontecem quando se espalham mentiras ou compartilham fotos constrangedoras da vítima nas mídias digitais. Além disso enviar mensagens ou ameaças que humilham e se passar por outra pessoa e enviar mensagens maldosas aos outros em seu nome também se enquadram como Cyberbullying.

O bullying, que seria o ato presencial, ou Cyberbullying acontecem lado a lado com frequência. Porém, o cyberbullying deixa um rastro digital – um registro que pode se tornar útil e fornecer indícios para ajudar a dar fim ao abuso.

Confira no vídeo abaixo uma reflexão espírita sobre o tema Cyberbullying:

 

Escrito por: Ricardo Guelfi de Souza

Estudante de Jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi. Assistente de Mídias Sociais na TV Mundo Maior e apresentador do Podcast Direito de Ser da Rádio Boa Nova.

 

 

Faça uma doação pelo site: feal.colabore.org

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

leave a reply

WhatsApp chat