Espiritismo e LGBTQIA+: O que podemos refletir?

“Amarás o teu próximo, como a ti mesmo” – Disse Jesus. Já na obra O Evangelho Segundo o Espiritismo encontramos a seguinte orientação do Espírito de Verdade: Espíritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo.

Entretanto, todas as palavras de amor e brandura encontram-se num patamar a ser alcançado quando comparadas com os números. Segundo relatório parcial divulgado pelo Observatório de Mortes Violentas de LGBTI+ no Brasil, coordenado pelos grupos Acontece Arte e Política LGBTI+ e Grupo Gay da Bahia (GGB), foram registrados entre janeiro e agosto deste ano 207 mortes de LGBTs.

Outros números causam ainda maior intriga, pois segundo pesquisa Datafolha realizada em dezembro de 2019, o Brasil conta com 50% de católicos e 31% de evangélicos, as duas religiões cristão com maior expressão no país. Mais adiante, os espíritas, somando 3% da população.

Segundo os dados do Trans Murder Monitoring (“Observatório de Assassinatos Trans”, em inglês) o Brasil em 2020 foi o país que mais matou Transsexuais no Mundo, estando portanto pelo 12º ano consecutivo no topo do ranking dos país mais violentos para essa população.

Todos estes dados apresentados nos fazem refletir acerca do preconceito religioso, muitas vezes dentro da própria família, sofrido pelos LGBTs. O que é preciso para alcançar não apenas o respeito, mas também políticas públicas que integrem a comunidade ao mercado de trabalho ou ao sistema de saúde pública por exemplo?

Uma frase de autoria desconhecida que viralizou nas redes ajuda-nos a refletir ainda mais sobre esse tema e direcionar o movimento espírita, mesmo que com seus mais de 6 milhões de adeptos no Brasil, a seguirem o movimento de progresso.

Diversidade é ter um lugar à mesa. Inclusão é ter voz na mesa. E pertencer / fazer parte é ter a voz ouvida.

A Feal fez com que a voz dos LGBTs fosse ouvida (literalmente inclusive) através do Podcast Direito de Ser, lançado em 2019 e que hoje conta com duas temporadas repletas de temas importantes para o universo LGBTQIA+ e com reflexões sobre o espiritismo.

Quer saber mais sobre Espiritismo e LGBTQIA+? Não perca dia 5 de dezembro, o Dia da Missão Espírita. Confira, às 15h00, uma palestra com Ricardo Guelfi e Adriana Morales, apresentadores do Podcast Direito de Ser, e com Paulo Lamenha, atuante do movimento espírita, militante LGBT e que em 2021 foi um dos organizadores da 1ª Semana Espírita de Visibilidade LGBTQIAP+ do Brasil. 

Fontes: Observatório G  Observatório | CNN Brasil Globo.com Exame

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

leave a reply

WhatsApp chat