A comunicação como ferramenta de impacto social

Por: Camila Garcia

Comunicação para cidadania é aquela capaz de contribuir efetivamente para a construção de uma sociedade mais justa e equilibrada. Neste formato de narrativa, o objetivo é contar sobre como as marcas se conectam às causas em projetos que levem mensagens mais significativas para as pessoas, de modo que tragam valor e deixem um legado, além, é claro, de promover a comunicação como área estratégica dentro de organizações e da sociedade civil. 

Mas, como é possível fazer uso da comunicação de causas em diferentes áreas, como jornalismo, entretenimento e até mesmo dramaturgia?

No caso das redações, enviar informações mais objetivas na hora de pautar os jornalistas pode abrir caminhos frente à pouca eficiência dos materiais e sugestões que chegam diariamente nas redações. Também é necessário tangibilizar e conectar os temas com a realidade. Por exemplo: ao invés de contar que a corrupção custa 30 dólares por ano de imposto para cada brasileiro, um caminho pode ser narrar que o índice de repetência nas escolas se deve ao fato de que crianças não vão à aula por causa de diarreia, que, por sua vez, é acarretada pela falta de saneamento básico que não está sendo feito em razão do roubo de verbas destinadas às obras. 

A ordem em que um discurso é apresentado também faz toda a diferença na captação da mensagem. Muitas vezes, a definição das pautas não leva em conta o potencial de emocionar ou comover o público, mas sim a necessidade de tratar de assuntos que já estão nos noticiários. Para despertar o interesse, é preciso contar histórias reais.  

Por que uma novela ou um filme desperta a nossa atenção? Porque eles sabem contar, desenvolver e adaptar histórias utilizando elementos específicos – personagem, ambiente, conflito e uma mensagem – em eventos com começo, meio e fim, para transmitir narrativas de forma inesquecível ao conectar-se com o telespectador no nível emocional. Essa proposta de trabalho é mais conhecida como storytelling.  

É indiscutível a importância de trazer ao debate público, por meio das diversas frentes comunicacionais, questões sociais que visem o resgate da cidadania e assegurem direitos e oportunidades igualitárias para toda a sociedade, especialmente aos grupos historicamente minorizados, como mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTs, entre outros.

 

Escrito por: Camila Garcia

Jornalista, mestre e pesquisadora em Jornalismo (Linguagens Jornalísticas e Tecnologias), pós-graduada em Comunicação Integrada e Marketing. Atualmente é assessora de comunicação no Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP)

 

 

Faça uma doação pelo site: feal.colabore.org

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

leave a reply

WhatsApp chat