Editorial

Maturidade emocional e a capacidade de lidar com a vida como ela é

Enviado em 4 de outubro de 2016 | Publicado por TV Mundo Maior

Maturidade emocionalMuitas vezes, a Maturidade emocional é associada à idade e aos anos de experiência de vida de uma pessoa. Contudo, quando o assunto é maturidade emocional, a idade pouco importa. Amadurecer emocionalmente consiste em perceber que não há necessidade de culpar ou julgar ninguém pelo que acontece conosco.

Maturidade emocional e o amor próprio

Mas amadurecer significa entender que não existe amor maior do que o amor próprio, e que ao eliminar a necessidade de poder e controle, tudo floresce. É abraçar a vida como ela é, muitas vezes bem mais dolorosa do que gostaríamos, e seguir adiante.

O psiquiatra Flávio Gikovate diz que a maturidade refere-se basicamente a uma boa tolerância à frustração. Isso diz respeito a fatos imutáveis e sobre os quais não temos controle algum, como a situações relacionadas a erros e falhas que cometemos, ou mesmo ligada às incertezas da vida.

Tolerar bem frustrações não significa não sofrer com elas e muito menos não tratar de evitá-las. A boa tolerância às dores da vida implica certa docilidade, capacidade de absorver os golpes e mais ou menos rapidamente se livrar da tristeza ou ressentimento que possa ter sido causado por aquilo que nos contrariou”. (F. Gikovate)

Para conseguirmos tal feito, é preciso muito trabalho, esforço, auto-observação, boa vontade e o desejo de olhar para dentro de nós e se conhecer melhor, com a cabeça e o coração em perfeita harmonia.

Uma pessoa emocionalmente madura, embora também se frustre muitas e muitas vezes, consegue lidar melhor com os sofrimentos derivados dessas frustrações, não desconta nos demais seus descontentamentos e aceita com mais serenidade os fatos que não há como mudar. 

Uma pessoa emocionalmente madura tem cuidado com o que diz, respeita o que ouve e medita sobre o que pensa. Somente com a clareza mental é possível resolver problemas cotidianos de forma eficaz.

As pessoas emocionalmente maduras já aprenderam que somos o que pensamos.  Se agirmos mais e reclamarmos menos significa que estamos crescendo emocionalmente.

Conseguem ser empáticas, sem se deixar influenciar pelas emoções alheias. Têm respeito por si e pelos outros e habilidade para se relacionar. Sabem falar, ouvir e trocar informações de forma saudável. Olham de forma generosa para a história de vida do outro.

As pessoas maduras emocionalmente não se punem por possuírem limitações, mas compreendem que cada erro é uma boa oportunidade para o crescimento pessoal.

Por fim, sabem perdoar, a si e aos outros. Aprenderam a se abrir emocionalmente e a desfrutar do tempo compartilhado da mesma forma com que desfruta do seu tempo sozinho, tornando a vida um prazer e não uma obrigação.

*Este texto é de responsabilidade de seu autor. Não representa necessariamente a opinião da TV Mundo Maior.

Para complementar sua leitura, assista a este lindo vídeo que nos ensina a compreender que ao eliminar a necessidade de poder e de controle, a vida floresce.

Texto escrito por Camila Garcia

Jornalista, pós-graduada em Comunicação Integrada e Marketing e apaixonada pelo mundo das letras. É redatora web na Agência TUTU e já atuou como assessora de imprensa, repórter e produtora de TV. Nas horas vagas, gosta de caminhar ao ar livre, bater papo com a família e os amigos, brincar com sua cachorrinha e estar em contato com a natureza. Faz aulas de ioga e cursos de espiritualidade e autoconhecimento, temas que a encantam e se tornaram sua principal linha editorial.

Comments

comments

Deixe seu comentário:


Clique aqui