TV Mundo Maior Conheça o Fidget Spinner, brinquedo anti-stress que foi proibido em escolas - TV Mundo Maior

Editorial

Conheça o Fidget Spinner, brinquedo anti-stress que foi proibido em escolas

Enviado em 14 de julho de 2017 | Publicado por TV Mundo Maior

É um simples dispositivo, pequeno, com três pontas cujo objetivo é fazê-lo girar. Este é o “Fidget Spinner”, um brinquedo que não é novo, mas que parece estar a substituir os videojogos e os brinquedos das crianças em diversas escolas nos Estados Unidos e no Reino Unido.

O “fidget spinner” possui um círculo giratório no centro, sendo que, ao colocar os dedos nas pontas, com um movimento rápido dos mesmos é possível girá-lo, criando uma rotação veloz, com um efeito visual dinâmico, dada a sua variedade de cores. Inventado para ajudar crianças com autismo e problemas de ansiedade, o brinquedo está a ganhar uma popularidade sem precedentes.

Só que a ascensão dos níveis de popularidade do “spinner” tem sido tão elevada, que algumas escolas proibiram os alunos de os trazer, com receio de que estes possam distraí-los das aulas. À BBC, Danielle Timmons, professora de uma escola na Escócia referiu que estes brinquedos “devem ser utilizados para as crianças inquietas”, algo que não acontece pois “tornaram-se em jogos de recreio”.

Na semana passada, uma instituição em Henderson, Nevada, nos Estados Unidos, escreveu cartas aos pais dos alunos, pedindo-lhes que não tragam os “spinners” para as salas de aula. O vício dos estudantes atingiu proporções tão elevadas, que esta escola só permite o seu manuseio em sala de aula mediante atestado médico.

Mas nem tudo é mau. A psicóloga Amanda Gummer relatou à BBC que o “frenesi por estes dispositivos está a ajudar a quebrar o preconceito” para com um brinquedo dedicado a crianças com necessidades educativas especiais. O fenómeno dos “fidget spinners” está “a alastrar rapidamente”, de acordo com Richard Gottlieb, fundador da Global Toy Experts, uma consultora da indústria dos brinquedos sediada nos Estados Unidos. E os adultos também foram “contagiados”.

A ponto de o consultor comparar o brinquedo com cigarros. “Há pessoas que fumam, outras apertam bolas para combater o stress. As pessoas, em geral, andam estressadas com o Brexit, com a eleição de Trump, o conflito na Síria. É só escolher. Pode parecer loucura, e acredito que seja, porque os adultos andam tensos e ansiosos, mas as crianças, pelo menos nos Estados Unidos, também estão”.

Tudo que fazemos em excesso acaba em problemas. Devemos sempre estar em luta para manter o equilíbrio. Por mais que esse brinquedo seja para combater o estresse, não deve ser usado constantemente, principalmente em salas de aula.

Criamos hábitos e, com o tempo, vem o vício. Se você adquirir uma rotina que não é aconselhável – como brincar em horas erradas -, poderá se viciar em uma atitude que irá culminar em problemas futuros. Atualmente, isso é muito comum, ultrapassar o limite da diversão e não visualizar as consequências. Saiba que tudo tem um limite e procure formas e horas mais saudáveis de se desestressar.

(Fonte: http://visao.sapo.pt)

Para saber mais sobre outros assuntos relacionado ao tema, assista:

Vícios e Obsessão – Dualidade

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Comments

comments

Deixe seu comentário:


Clique aqui